sábado, 31 de janeiro de 2009

AS ESTRADAS DA BAHIA

I
O que eu presenciei
Escrevo nesta poesia
Tudo que tenho a dizer
Sei que não é alegria
Um caso preocupante
As estradas da Bahia.
II
O que eu vi nesse dia
Não é coisa engraçada
O problema não é bom
Na Bahia a estrada
Muito trecho perigoso
Totalmente esburacada.
III
O que eu vi na estrada
Eu narro neste momento
Quem por ela for passar
Vai ser grande o sofrimento
Tem local que é só mato
E não tem acostamento.
IV
É grande o sofrimento
Quem no local é passado
Estrada que não tem placa
E não é sinalizado
Porque quem por lá dirige
Parece acostumado.
V
Fica o carro maltratado
Sujeito a prejuízo
Coitado do motorista
Forcado o improviso
E até pra dirigir
Quase perde o juízo.
VI
Fazer algo é preciso
Falar com autoridade
Ver um trecho perigoso
De cidade entre cidade
O que vemos no caminho
É uma barbaridade.
VII

Uma grande crueldade
Trafegar neste caminho
Carro grande e pequeno
Anda bem devagarzinho
Com problema enfrentado
Não reclamarei sozinho.
VIII
Muito ruim é o caminho
Ainda pra completar
A estrada esburacada
Muito ruim de trafegar
Lá tem quebra-mola inútil
Para ali quem for passar.
IX
Eu vi carro a quebrar
Também vi pneu furado
Eixo quebrado de carro
E vi estrepe rasgado
Os problemas da estrada
Eu fiquei horrorizado.
X
Sem contar que tinha gado
Caminhando pelo chão
Atrapalhando o trânsito
E causando confusão
Precisa ser resolvido
Assim não tem condição.
XI
Ônibus e caminhão
E qualquer carro potente
Passa com dificuldade
Na estrada impertinente
Pior que dor-de-cabeça
Enxaqueca e dor-de-dente.
XII
Assim falei consciente
Talvez com antipatia
Dum problema brasileiro
causa dor de agonia
queria ver concertada
as estradas da Bahia.

Caraúbas-RN, 06.01.2009
Ilton Gurgel, poeta.

Um comentário:

THEO DE BRITTO disse...

Amigo ILTON, pensei que esse Problema, ja havia sido solucionado.Pois em 1995(Há 14 Anos) Vindo de minha Caraúbas, quase Adoecí, trafegando nessas Estradas(Caminhos).ONDE ESTÃO OS GOVERNANTES BAIANOS ?