quinta-feira, 23 de abril de 2009

A FEIRA DA CEILÂNDIA – DF

I
Uma feira bem completa
No que a gente procura
Lá tem tudo pra vender
Vindo da agricultura
É a feira da Ceilândia
Nela tem muita fartura.
II
Uma grande espessura
Lá tem tudo pra comer
Atende o consumidor
Pois tem tudo pra vender
Tem alguns ingredientes
Que aqui eu vou dizer.
III
O azeite de dendê
Do bode tem a buchada
Tem o bom sarapatel
A gostosa feijoada
A boa carne de sol
E também a galinhada.
IV
A ferira que é formada
Na sua categoria
A parte do vestuário
Atende a freguesia
Calçado e coisa da moda
Tem sua alegoria.
V
Parte com bijuteria
Tem colar e tem anel
Tem relógio e pulseira
Cada um no seu papel
Tem até o cantador
Com o verso em cordel.
VI
Da abelha tem o mel
Doce de amendoim
Além de variedades
Rapadura e alfinim
No frio tem picolé
Tem sorvete e dimdim.

VII
A feira tem o seu fim
No Domingo é o dia
Mas ela na Quarta-Feira
É quando se inicia
Estendendo até Domingo
Para nossa alegria.
VIII
Tem manga e melancia
Tem goiaba e melão
Banana de todo tipo
Tem caju e tem mamão
Tem o gostoso morango
Que é uma atração.
IX
Na feira tem agrião
Todo tipo de folhagem
Tem o remédio caseiro
E toda parafernagem
Com o mesmo objetivo
De vender sua imagem.
X
Produtos de maquiagem
E produtos de beleza
Tem também a boa pinga
É servida com franqueza
Com caldo de mocotó
É uma grande proeza.
XI
A feira tem a franqueza
Nós podemos visitar
No mercado da Ceilândia
Podemos localizar
Bem no centro da cidade
Fácil da gente encontrar.
XII
E aqui eu quis mostrar
Uma feira especial
É a feira da Ceilândia
Muito tradicional
Com produtos variados
E também regional.

Brasília-DF, 23.04.2009
Ilton Gurgel, ´poeta.

Um comentário:

THEO DE BRITTO disse...

Valeu Conterrâneo Ilton, nossa Feira da querida CEILÂNDIA, é isso mesmo, que retratastes em seus Versos Fabulosos...PARABÉNS.